JÁ É TARDE DEMAIS. JÁ PASSEI DA IDADE!
22/10/2012

Deveríamos falar isto como um mantra: Não é tarde demais, Não é tarde demais…

Recebo muitos comentários de mulheres que me dizem que já perderam o timming, que já são velhas demais e não dá mais para acumular, porque não o fizeram quando eram jovens. Vejo que as mulheres de hoje começam a pensar em dinheiro mais cedo. As da minha geração trabalhavam mais pensando no curto prazo e por idealismo e talvez esperando que alguém fosse se ocupar das coisas mais praticas da vida, como por exemplo maridos para pagar as contas e cuidar das finanças.Ai quando chegam próximas aos 40 anos, começam a se preocupar.

Se você já passou dos 35, 40 ,50 ou 60 e ainda não começou a poupar para a aposentadoria, se ainda tem problemas financeiros e dívidas ou tem menos investimento do que gostaria, então TEM QUE COMEÇAR JÁ a fazer algo. Antes TARDE do que MAIS TARDE.

Vejam os fatos :

As mulheres ganham em média 25% a menos que os homens em cargos iguais ( isto no Brasil e no mundo, em empresas multinacionais estruturadas ou em empresas nacionais , medias e pequenas, em governo ou em universidades).

As mulheres gastam mais durante a vida, pois cuidam de mais gente, cuidam da casa, dos filhos, dos pais, dos amigos.

As mulheres morrem mais tarde, então precisam de dinheiro para viver por mais anos.

As mulheres não são boas administradoras de seus investimentos: tem mais aversão a risco, não gostam de estudar o tema, e vamos ser realistas : Os investimentos normalmente são desenhados por homens, comunicado por eles também, e são quase IMPOSSÍVEIS de entender, quem dirá de confiar. Então aquilo que elas guardam acaba ficando em aplicações que não rendem nada  ( e isto colabora muito para o pensamento : “Porque poupar? Vou é me comprar uma bolsa, visto que o que poupo não valoriza nada mesmo! “)

Resultado : Um contingente enorme de mulheres acabam a vida MUITO POBRES, e dependendo de filhos para as sustentarem ( aquelas que tem filhos..).

Mas o pensamento deveria ser:

“Já sou madura e meus filhos já não precisam tanto de mim – por isto tenho mais tempo livre e posso ter um trabalho extra”.

“Meu imóvel já esta pago, e já ficou grande demias, posso troca-lo por um menor, mais charmoso e aplicar a diferença.

“Já sou madura e posso lidar melhor com tudo : inclusive com a angústia de cuidar da minha vida financeira”.

“Hoje em dia se pode trabalhar até bem mais tarde. Não preciso parar na idade em que se parava antes. Tenho ainda muita energia”.

“Já tenho uma carreira estabelecida, já conheço muita gente e posso aproveitar desta minha rede criada ao longo dos anos”.

 

Então você deveria começar já:

Poupar o mais que puder.

Procurar um trabalho Extra ( é a maneira de poupar sem sacrificar o estilo de vida).

Procurar aquelas coisas esquecidas como FGTS de uma empresa antiga que não foi sacado, um seguro ou reserva , ou ações que você possa ter feito em algum momento da vida e esta esquecido numa conta ou banco por aí.

Dar um fim nas dívidas e nos juros pagos.

Analisar a possibilidade de trocar de casa e/ou carro para um mais simples e barato.

Revisar as despesas com filhos, amigos e outras contas que você pague e possa ser ‘transferida”ou cortada.

Se você tem 55 anos e conseguir um trabalho extra que lhe de R$ 500,00 ao mês livre, poupará   R$ 6.000,00 ao ano.Se aplicar a uma taxa de 10% ao ano( que não é difícil conseguir) : quando tiver 70 anos terá R$ 200.000,00 reais. E se quiser sacar um valor mensal para viver até os 90 anos, sem poupar nada mais a partir dos 70 anos, você poderá gastar R$ 2.200,00 por mês.

E melhor ainda, se você já tiver R$ 10.000,00 para começar, e conseguir guardar R$ 1.000,00 por mês, aos 70 anos terá R$ 450.000,oo e poderá gastar R$ 5.000,00 por mês até os 90 anos.

Parece simples demais? E é!

Animada? Então comece já!

Não consegue começar? Então me escreva porque. Talvez possamos ajudá-la a sair deste bloqueio inicial.

 

Veja a historia de Alice (O nome foi trocado à seu pedido), 69 anos, que me procurou esta semana com este dilema: “Perdi tudo há 10 anos atrás, fiquei cheia de dívidas e agora tenho que preparar minha aposentadoria saindo do zero”.

D: Como foi sua vida de trabalho?

A: Trabalhei como designer muito tempo.Depois tive uma loja num shopping chic da cidade que importava roupas e acessórios. Na época pré Collor onde as importações ficaram quase impossíveis , comecei a desenhar roupas e fabricar aqui para suprir a loja. Com isto criei um business de mais de 100 costureiras e mais de 30 lojas.Trabalhava como louca, mas adorava!

D: E o que houve?

A: Há 10 anos atrás resolvi voltar pra faculdade e fazer um curso de Letras, e no ano da minha formatura , perdi minha mãe e irmão num acidente. Fiquei totalmente desnorteada e no mesmo ano tivemos que fechar nosso negócio.

Por problemas de administração, estávamos devendo muito para fornecedores, governo,etc.Foram tempos muito difíceis.

D: E seu marido?

A: Quando comecei  a crescer, meu marido saiu do seu emprego e veio administrar a empresa.Eu fiquei com toda criação,produção e comercialização e ele com toda administração financeira.Quando quebramos obviamente a relação ficou bem abalada, ele achava que eu fazia produtos caros demais para ter lucro e eu achava que ele não havia feito a parte dele na sociedade e que buscou  ajuda muito incompetente.

D: E o que decidiu fazer na época?

A: Bom eu tive que escolher entre ficar casada ou ter a empresa. Escolhi meu marido. Então fechamos tudo, negociamos com os credores e pagamos os acordos. Temos dividas para uma vida inteira.

Comecei o trabalho do zero novamente, usando todas minhas habilidades para voltar ganhar dinheiro: Faço roupa sob medida, organizo eventos e faço design. Não tive vergonha nem orgulho. Abaixo no chão e marco bainha quando preciso.

Tudo que ganhei nestes anos foi para viver e ir pagando as dividas, principalmente com os credores mais pobres, como as costureiras. 

D: Até quando você pretende trabalhar?

A: Até morrer.

D: Bom , mas isto não é razoável. Podemos pensar em algo mais factível, como mais dez anos?

A: Acho que sim. Tenho muita energia. Estou bem de saúde e mentalmente. Então trabalhar até os 80 anos parece possível.

D: Como são os números agora?

A: Ganho em média R$10.000,00 por mês. Gasto 6.000,00 e poupo R$ 4,000,00. Tenho R$80.000,00 acumulados. E tenho um plano de aposentadoria que vence no ano que vem, que me dará R$ 1800,00 por mês.

D: E o que você tem de patrimônio e gastos?

C: Tenho uma casa, que vale aproximadamente R$ 2.0 milhões. Além de meus gastos mensais gosto muito de viajar e gostaria de fazer uma viagem a cada 2 anos.

D: O que você quer de mim?

A: Gostaria muito de ajuda para ver como equacionar tudo isto para viver mais tranquila e para não precisar depender de ninguém na minha velhice.

D: E teus filhos e marido?

A: Desde a falência há 10 anos não falo mais de dinheiro com meu marido. Ele paga algumas contas da casa e eu outras.Meus filhos tem a vida deles, não precisam de mim no momento, mas eu também não quero precisar deles. Se eu puder vou ajudar minha filha com alguma coisa, visto que ela tem uma vida de dinheiro mais apertada.

D: OK. Vamos ver como podemos equacionar este caso. Obrigada pela confiança.

A: Eu é quem agradeço e queria que você pudesse contar comigo para qualquer ajuda das coisas que eu saiba fazer.

 

Vejamos o caso de Alice

Idade 69, vai trabalhar mais 11 anos até os 80 anos, e temos que ter um valor para viver até os 95 anos ( media da expectativa de vida das pessoas da sua família).

Alice tem hoje R$ 80.000,00 iniciais e pode poupar R$ 4.000,00 por mês, pelos próximos 11 anos.

Se ela aplicar este dinheiro 9% ao ano , quando chegar aos 80 anos terá guardado R$ 1 milhão, que se continuado aplicado e retirado mensalmente por 15 anos ( até seus 95 anos) lhe dará uma renda mensal de R$ 10.000,00 ao mês. Somando-se a isto Alice tem R$ 1.800,00 de aposentadoria. O que a deixara com uma renda mensal de R$ 12.800,00 mensais.

Nada mau , ainda mais se pensarmos que hoje ela vive com menos do que isto!

Melhorando o cenário:

Se Alice decidir vender sua casa de R$ 2 milhões e se mudar para uma casa de R$ 1 milhão, pagando corretagem e gastando alguma coisa em reforma da casa nova, digamos que ela consiga poupar R$ 800 mil.

Ai o inicial passa a ser R$ 880 mil aplicados mais os 4 mil mensais. Aos 80 anos Alice terá R$ 3 milhões acumulados e poderá contar com R$ 30 mil mensais.

Obviamente temos que descontar a inflação e os impostos de renda da aplicação, além de conseguir ter 9% de retorno em algo razoavelmente seguro, mas como podemos ver em qualquer caso os valores conseguidos estão bem acima dos R$6.000, 00 mensais que Alice precisa para viver.

Se isto funciona para Alice , que tem 69 anos, porque não pode funcionar para você?

Se quiser fazer uma simulação para teu caso específico, use a calculadora do link http://vocesa.abril.com.br/servicos/calculadoras-e-simuladores/simulador-de-investimentos.shtml

Mas minha sugestão é não usar os 13% de rendimento que esta lá. Use 10% ao ano ou 0,8% ao mês.

Não é tarde demais, Não é tarde demais…

comentários:
Voltar

Sobre Denise Damiani

Ter crescido em uma família com muitos homens, e optado por uma carreira predominantemente masculina, fizeram com que Denise Damiani notasse a falta da presença e da visão feminina no mundo dos negócios. Passou então, a desenvolver planos e pôr em ação práticas para diminuir o abismo de gêneros no ambiente corporativo, desenvolvendo programas e implantando projetos para ajudar a nova geração de mulheres a chegar ao topo.

Denise Damiani é executiva na área de business e tecnologia, com formação em engenharia de sistemas digitais pela Escola Politecnica, MBA HBS Executive Program e IMD Executive Program.

home

Arquivos

Facebook

Posts Mais Lidos

 
Disciplina e rotina
27/07/2016
 
Nunca, nunca, nunca fale mal dos outros. Mas, principalmente, não fale mal de si mesma
26/07/2016
 
Denise Damiani no programa Tudo Posso
25/07/2016